segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

Hidrelétrica Jirau, no rio Madeira, o desastre confirmado

UHE Santo Antônio (ainda em construção) e ao fundo a cidade de Porto Velho
O "X" vermelho é para encobrir a propaganda mentirosa do consórcio que diz "Desenvolvimento sustentável
para Rondônia e para o Brasil"
A cidade de Porto Velho, a capital do estado de Rondônia, nunca esteve tão ameaçada pelas cheias do rio Madeira. Ensecadeira (barragens provisórias) e outras estruturas em construção na UHE Jirau poderão se romper se não houver um controle do nível do reservatório da hidrelétrica Santo Antônio. (Atualizado em 04/03/2014)

Telma Monteiro

Resgatando um pouco da história das usinas do Madeira

O Ministério Público Federal e o Ministério Público do Estado de Rondônia ajuizaram uma Ação Civil Pública (ACP) com pedido liminar contra a mudança de localização da usina de Jirau, no rio Madeira. Isso aconteceu em 25 de agosto de 2008.  A Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA) e o Consórcio Energia Sustentável do Brasil (Enersus), hoje ESBR, são os réus da ação.

Os autores da petição inicial, o Procurador MPF de Rondônia, Heitor Alves Soares e a Promotora de Justiça do Estado de Rondônia, Aidée Maria Moser Torquato Luiz,
pediram a anulação do Leilão n° 005/2008 e do respectivo contrato de concessão firmado entre a União e o consórcio ESBR. Para o MP o IBAMA não deveria ter concedido a Licença de Instalação que autorizou a construção do empreendimento na nova localização, 9,2 quilômetros rio abaixo, proposta pelos empreendedores.

quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

Belo Monte: Desembargadora dá prazo para Norte Energia corrigir problemas das moradias dos removidos


Foto: www.assisramalho.com.br
TRF1 ordena que Norte Energia corrija problemas nas casas para os removidos por Belo Monte

Por MPF/PA

Desembargadora Selene Almeida deu 30 dias de prazo para que a empresa cumpra o que havia prometido aos atingidos pela usina em Altamira, oferecendo três modelos de casas de alvenaria

O Tribunal Regional Federal da 1ª Região, em Brasília, atendendo a recurso do Ministério Público Federal (MPF), ordenou que a Norte Energia S.A promova a adequação das casas destinadas ao reassentamento coletivo urbano dos atingidos pela usina de Belo Monte na cidade de Altamira. Estão sendo removidos todos os que moram em áreas de Altamira abaixo da chamada cota 100 (100 metros acima do nível do mar), um número que pode ser de 16 mil a mais de 25 mil pessoas.

terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

Altamira é o melhor município da Brasil

Por Telma Monteiro

Atenção: antes de ler este artigo saiba que a Altamira mostrada aqui é uma utopia.
Altamira, no estado do Pará, é o maior e o melhor município do Brasil. É um exemplo que está sendo seguido pelo resto do país. Tem 100% do esgoto coletado e tratado, rede de água, coleta seletiva de lixo, hospitais com alta tecnologia para tratamento de câncer e equipados para transplante. Os pacientes recebem remédios de graça e os médicos têm salários dignos e formação especial. Os postos de saúde são um modelo seguido internacionalmente.

As escolas são públicas e equipadas com o que há de melhor em mobiliário, as salas são informatizadas e os professores são bem remunerados. Todas as crianças da cidade em idade escolar estão matriculadas em período integral e a merenda, comprada da cooperativa que agrega centenas de pequenos agricultores, é orgânica.  

Ruas e avenidas são arborizadas com árvores de frutas nativas da região e em cada quadra o poder público mantém, com a ajuda da população, hortas orgânicas. O índice de violência é perto de zero e as drogas são combatidas em clínicas especiais mantidas pelo estado.

O rio Xingu corre calmo, prateado e limpo. A população que mora nas comunidades afastadas recebem tratamento médico e cirúrgico propiciados em hospitais itinerantes construídos em grandes barcos que singram as águas do rio Xingu. Nenhuma aldeia indígena carece de assistência médica/hospitalar e a malária foi erradicada. Há muito não há palafitas e as casas foram projetadas para serem agradáveis e confortáveis frente ao clima da região.

Toda a energia elétrica vem de fontes alternativas locais. Os telhados têm placas que geram energia solar fotovoltaica, pequenos aerogeradores ajudam a compor a paisagem urbana e o excedente de energia é vendido para a rede de distribuição regional. 

Por ser uma cidade plana Altamira quase não tem automóveis e é a campeã em número de bicicletas e as ciclovias foram criadas em toda a malha urbana. O transporte público e escolar são feitos por ônibus elétricos alimentados por células fotovoltaicas.


Você acha que iriam construir a hidrelétrica de Belo Monte num lugar assim?